terça-feira, 23 de outubro de 2012

Robert Plant une rock pesado a timbres exóticos em show


O ex-vocalista do Led Zeppelin evitou a armadilha de apresentação nostálgica e mostrou capacidade de se reinventar, mas não privou público de clássicos
Aos 64 anos, Robert Plant mostra que rock n’roll é algo que não envelhece. Apesar do rosto bastante enrugado, da força para tentar alcançar seus tão famosos agudos e das mãos que levava à lombar no intervalo de cada música, o ex-vocalista do Led Zeppelin se mostrou em plena forma subversiva do rock em show realizado nesta segunda-feira, no Espaço das Américas, em São Paulo.
Na perna paulistana de sua turnê ao lado da banda The Sensational Space Shifters, Plant contrariou os padrões e evitou a armadilha de fazer uma apresentação nostálgica, pautada apenas pelos sucessos da banda cultuada por fãs há mais de 40 anos. Ritmos exóticos – embalados por instrumentos africanos – e sequências instrumentais marcaram boa parte das músicas de sua carreira solo e contaminaram até clássicos setentistas. Black Dog, por exemplo, ganhou novos arranjos de percussão.

Plant abriu o show com o rock pesado Tin Pan Valley e, sem cerimônias, já serviu o público com uma série de solos de guitarra e bateria. Em seguida foi a vez de Another Tribe, música com toada oriental que abre o disco Mighty ReArranger (2005). Na sequência, veio Spoonful. O blues de Willie Dixon e gravada por Howlin' Wolf, em 1960, foi embalada por uma sequência hipnótica de toques tribais africanos. O músico da Gâmbia Juldeh Camara improvisou solos com seu rotti, um violino africano de apenas uma corda, acompanhado pelo percursionista Dave Smith, no comando do kologo, um banjo africano.
Infográfico: Veja a cronologia do Led Zeppelin, a banda que revolucionou o rock

O restante do show foi permeado por um rodízio entre músicas da carreira solo de Plant (Somebody KnockingSong to the Siren e The Enchanter) e clássicos do Led Zeppelin. O dono de uma das vozes mais míticas do rcok n’ roll se permitiu reverenciar o passado somente na porção final do show.
A sequência formada por Gallows PoleRamble OnWhole Lotta LoveGoing to California eRock and Roll, as duas últimas tocadas no bis, provocou uma catarse no público. Neste momento, Plant deixou os experimentalismos de lado e interpretou os clássicos do Led Zeppelin assim como foram compostos há mais de 30 anos. Afinal, reinvenções à parte, era justamente essa volta ao passado que o público esperava assistir durante o show.

A turnê brasileira de Robert Plant vai ter um show extra em São Paulo, nesta terça-feira, ainda com ingressos à venda pela internet. Depois, segue para Brasília (dia 25), Curitiba (dia 27) e Porto Alegre (dia 29). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário