segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Rodada #34 divide Brasileirão em blocos com objetivos bem distintos


Três times brigam para fazer o Carnaval do título; quatro sonham com Libertadores e oito lutam para não cair; no meio, cinco curtem 'numa relax'

Tartá comemora no jogo entre Fluminense e VascoTartá: explosão de alegria tricolor      (Photocamera)
O Carnaval ainda está longe de começar, mas os blocos já estão na rua querendo festejar em dezembro, ao fim do Brasileirão 2010. O primeiro deles é restrito a poucos convidados: Fluminense, Corinthians e Cruzeiro. São apenas três, só que a euforia é grande - principalmente no Tricolor das Laranjeiras. O clube carioca venceu o Vasco por 1 a 0 e quebrou um tabu de cinco anos sem derrotar o rival pelo torneio - algo menor diante dos três pontinhos. Com eles, o time chegou a 61 e agora desfila sozinho em primeiro lugar. O prata-da-casa Tartá rasgou a fantasia de plebeu e subiu em carro de destaque ao fazer o gol da vitória, enquanto os medalhões contratados pelo patrocinador do clube ou enfrentam longo jejum (Washington) ou estão entregues faz tempo ao departamento médico (Fred e Emerson). O diretor de harmonia sempre presente foi novamente Conca, desta vez com o auxílio luxuoso de duas peças: Ricardo Berna, novamente herói em defesas importantes, e Leandro Euzébio, que não perdeu o rebolado nem depois de sofrer um corte e tomar cinco pontos na cabeça. A torcida também fez sua parte no Engenhão e não desafinou. E mesmo a trave - por que não? - cumpriu seu papel, ao salvar um chute de Nunes.
Mulher que não é bem cuidada mete corno. Os outros que se preocupem com o que é deles"
 
Luiz Felipe Scolari
O Corinthians manteve o pique e também um tabu: superou o São Paulo por 2 a 0, no Morumbi. Com isso, vai completar quatro anos sem perder para o rival (11 jogos, sete vitórias e quatro empates). Não chegou a ser um baile, mas a Fiel se empolgou, gritou olé e saiu com a alma lavada: líder, ainda que por pouco tempo - meia hora depois, com um gol precoce, aos três minutos de jogo, o Flu recuperou a ponta. Na festa alvinegra, duas caras repetidas sobressaíram; Elias vestiu a fantasia de carrasco e abriu o placar, marcando seu quinto gol em sete partidas contra os tricolores. E Dentinho, sem máscara, fez um gol de oportunismo, mantendo um feito pessoal: jamais perdeu para o rival. Se todo Carnaval tem seu fim, a zoação corintiana parece seguir o caminho contrário: o site oficial do clube estampou em sua capa a provocação: 'CPF na nota?'. Esse é o jeito mais atual de chamar um adversário de freguês em São Paulo. Entenda aqui.
O Cruzeiro não empolgou, mas deu samba. Fez uma apresentação de raça e contou também com a sorte para derrubar o Vitória no Barradão. Thiago Ribeiro foi o autor oficial do sam.., ops, do gol celeste. Mas como em muitas escolas, houve ao menos um coautor. O Ribéry da Raposa cruzou, mas foi Jonas quem sacudiu a roseira. Só que foi contra o próprio patrimônio, azedando a batucada rubro-negra. Mineiro pode ter menos tradição que baiano em Carnaval, a Raposa ficou bem na luta pelo estandarte de ouro. Está em terceiro lugar, com 60 pontos, a um da liderança, e atrás do Corinthians nos critérios de desempate. Já o Leão permanece com 38 em 14º, ainda ameaçado de cair para a divisão de acesso do futebol - também conhecida como Série B.
Comemoração Cruzeiro x VitóriaCruzeiro se recupera e continua bem vivo (Foto: AE)
O segundo bloco do Brasileirão tem quatro times que, na prática, lutam por uma vaga na Libertadores. No momento, o Botafogo é o mais bem colocado. Em quarto lugar com 55 pontos, o clube ainda pode até sonhar com título, apesar dos seis pontos que o separam do líder Flu a apenas quatro jogos do fim. O empate sem graça e sem gols com o Avaí, porém, parece indicar que o Glorioso deve mesmo se manter na luta por um lugarzinho no torneio intercontinental. Mas para que o sonho de voltar à competição após 15 anos não acabe numa Quarta-Feira de Cinzas, é bom que o escrete de Joel Santana se esforce para ao menos tomar o terceiro lugar. Afinal, se um time brasileiro conquistar a Sul-Americana, a quarta vaga do Brasileirão para a Libertadores virá pó - ou melhor, vira uma credencial para a Sul-Americana.
Pouco abaixo dos cariocas, o Atlético-PR quis mostrar que nem só de ginga vive o futebol. Fiel a seu estilo neste Brasileirão, o Furacão venceu o Flamengo por 1 a 0 em Volta Redonda, gol de Paulo Baier em cobrança de pênalti. O futebol pragmático dos paranaenses pôs o time em quinto lugar, com 53 pontos. Já o Tricolor Gaúcho inovou e, sob a batuta de um maestro, pôs seu bloco definitivamente na rua. Com um Douglas inspiradíssimo, a equipe goleou o Ceará por 5 a 1 no Olímpico, chegou aos mesmos 53 pontos e está em sexto lugar por ter uma vitória a menos que o Atlético-PR. A fase é tão boa que, além ter Jonas isolado na liderança da artilharia (com o que fez na goleada, soma 21) o time de Renato Gaúcho ainda conta com André Lima. O atacante desandou a balançar as redes e já tem nove golzinhos. Já o São Paulo entra como azarão na disputa. Com a derrota no clássico, o time paulista perdeu em evolução e estacionou em nono lugar com seus 50 pontos.
paulo baier atlético-pr gol flamengoO Furacão está de olho na Libertadores (Foto: AE)
O bloco mais curioso é o que já vestiu chinelo na competição, assim pode-se dizer. Santos (sétimo, com 51 pontos), Inter (oitavo, com 51), Palmeiras (décimo, com 50), Vasco (11º, com 45) e Ceará (12º, com 44) não têm mais grandes ambições. Exceção, talvez para o Vovô, cuja motivação é não relaxar para garantir uma histórica classificação à Sul-Americana. Do Peixe, pode-se dizer que está no desfile dos campeões (afinal, já ganhou Paulista e Copa do Brasil, que vale vaga na Libertadores). Com o inspirado Neymar, tirou pontos do Atlético-MG em Sete Lagoas, ao empatar por 2 a 2. Enquanto o Galo sofre para escapar de uma nova queda, o garoto prodígio da Vila Belmiro mostrou que perdão foi feito para se pedir e fez as pazes com Dorival Júnior - de quem recebeu até um beijinho. Mas ele avisou: em campo, ia fazer tudo pela vitória - meteu dois gols, ainda que o triunfo não tenha chegado.
Já Inter e Palmeiras só não estão de férias porque ainda lutam por títulos na temporada. O Colorado, que também incomodou um ameaçado Atlético-G0 ao sair perdendo por 2 a 0 e arrancar um 2 a 2, vai a Abu Dhabi em dezembro para a disputa do Mundial de Clubes. O Verdão, com a cabeça na Sul-Americana e cheio de reservas, superou o desesperado Guarani por 1 a 0. A vitória deu oportunidade para Felipão soltar a pérola da rodada, explicando que pode ou não continuar usando reservas no Brasileirão:
- Tenho de cuidar da minha casa. Mulher que não é bem cuidada, mete corno. Portanto, os outros que se preocupem com o que é deles - disse o treinador, fazendo alusão a um eventual chororô de rivais que venham a se sentir prejudicados pelo que o mistão do Verdão aprontar - ou deixar de aprontar - nas rodadas finais.
Obina atlético-mg durval santosGalo novamente tropeça em casa (Foto: AE)
O último bloco, de retardatários, é o mais numeroso: soma oito integrantes lutando para não cair. Um deles, surpreendentemente, é o atual campeão. Com um time que não dá samba, o Flamengo perdeu em casa e continuou com 40 pontos em 13º lugar. Só não está mais ameaçado porque todos seus rivais também tropeçaram. Mas os quatro pontos do Z-4 não o credenciam a antecipar qualquer tipo de farra. Logo abaixo vem o Vitória (38 pontos). Curiosamente, apesar das posições incômodas, esses times ainda sairiam da avenida, no momento, com um prêmio de consolação: a vaga na Sul-Americana 2011. Atlético-GO e Atlético-MG, respectivamente em 15º e 16º com 34 pontos, são os times que ainda estão com o pescoço fora da lama. O Guarani abre o Z-4 com 36 pontos, seguido de perto pelo Avaí, 34. E dois clubes já vivem o clima de fim de festa. Eles se encontraram no domingo: o Goiás, com 31 pontos, recebeu um verdadeiro abraço de afogado do Grêmio Prudente, lanterna, com 27 pontos. Apesar de já ter até dispensado alguns atletas, o último colocado goleou o Esmeraldino de virada, por 4 a 1, no Prudentão. Tudo indica que ambos terão uma Quarta-Feira de Cinzas ainda em novembro.
Seleção da rodada
Neto (Atlético-PR) - 8,0, Gabriel (Grêmio) - 7,5, Paulão (Grêmio) - 7,5, Dedé (Vasco) - 7,5 e Pará (Santos) - 7,0; Elias (Corinthians) - 8,0, Jucilei (Corinthians) - 7,5, Douglas (Grêmio) - 8,5 e Paulo Baier (Atlético-PR) - 7,0; Tartá (Fluminense) - 7,5 e Neymar (Santos) - 7,5.
Técnico: Tite (Corinthians) - 8,0
Selebaba da rodada
Michel Alves (Ceará), Patric (Avaí), Rafael Tolói (Goiás), Bolívar (Internacional) e Moreno (Guarani); Rudnei (Avaí), Willians (Flamengo), Bernardo (Goiás) e Geraldo (Ceará); Deivid (Flamengo) e Val Baiano (Flamengo). Técnico: Vanderlei Luxemburgo (Flamengo)
 Muralha da rodada
Um dos três goleiros de confiança de Mano Menezes na Seleção Brasileira, Neto garantiu a vitória do Atlético-PR sobre o Flamengo ao fazer, na pequena área, grande defesa em chute de Diego Maurício.




 Golaço da rodada
Lanterna do Brasileirão, o Grêmio Prudente tem remotas chances de permanecer na Série A, mesmo com a vitória sobre o vice-lanterna Goiás. No entanto, deixou a sua marca na rodada com o chutaço de primeira de João Vítor. Foi na gaveta de Harlei.



 Frango da rodada
A situação do Atlético-MG, que na reta final ainda luta contra o rebaixamento, não permite erros. Mas o promissor goleiro Renan viveu uma noite infeliz no empate com o Santos. Errou ao tentar cortar a bola, e Neymar não perdoou.



 Mico da rodada #1
Sim, tivemos mais de um que mereça menção. Neste primeiro, Bolívar e Abbondanzieri, do Internacional, não falaram a mesma língua na hora de ficarem trocando passes perigosos da lateral para a área, da área para a lateral... O resultado: gol do Atlético-GO.



 Mico da rodada #2
O Palmeiras, com a cabeça voltada para a Sul-Americana, "não queria nada". Já o Guarani, assombrado pelo fantasma do rebaixamento, "queria tudo". No fim, o Bugre perdeu o jogo, e Apodi e Mazola perderam a cabeça. Bateram boca e ainda levaram uma bronca do árbitro.



 Drible da rodada
O São Paulo, sonhando com uma vaga na Libertadores, perdeu o clássico para o Corinthians e ainda teve de ouvir piadinha da torcida rival. O lateral-direito Ilsinho, no entanto, provou que não perdeu o embalo. Em bela jogada, deixou dois corintianos a ver navios, com direito a elástico entre as pernas de Roberto Carlos, entrou na área e conclui. Mas o goleiro Júlio César fez o papel de estraga-prazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário