Capa

Capa

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Após derrota, oposição promete reorganização


Jarbas diz que Dilma tem desafio de governar sem Lula.
Vice de Serra afirmou que nova presidente será cobrada.

José Serra durante pronunciamentoSerra durante discurso (Carolina Iskandarian/G1)
Após derrota nas urnas, aliados de José Serra afirmaram na noite deste domingo (31) que a oposição precisa se reorganizar para cobrar o governo da presidente eleita Dilma Rousseff (PT).
O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), que perdeu a disputa pelo governo de Pernambuco para o governador reeleito Eduardo Campos (PSB), disse que a atuação terá de ser "muito diferente" da observada no governo Lula.

"Terá que ser muito diferente. Sem organicidade, cada um tendo seu papel, cada um tendo um objetivo, reuniões sistemáticas. Percorrer o Brasil sem ser em período eleitoral. Isso é fundamental", disse após discurso em que Serra reconheceu a derrota e desejou que Dilma "faça bem" ao país.
"Agora é deixar a poeira baixar e nos organizar. (...) Houve uma incapacidade absoluta de fazer uma oposição permanente, se organizar. A única vez que conseguimos isso no Senado, derrubamos a CPMF. Isso mostra que, com um mínimo de organização, é possível", completou Jarbas vasconcelos, para quem o "maior desafio" de Dilma será governar sem Lula.
O governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), afirmou que será preciso "fazer uma oposição com seriedade" daqui para frente. "Sempre respeitando que o interesse público se sobreponha sobre qualquer outro interesse, mas sendo uma oposição dinâmica, firme, como tem que ser feito. Cobrando da presidente tudo aquilo que ela prometeu durante a campanha e para o povo brasileiro e que a levou à vitória."
Goldman hesitou quando questionado se seria difícil fazer oposição à Dilma Rousseff. "Não sei se é mais fácil ou mais difícil, o importante é que a gente faça. Mas esse é o nosso papel. Ser combativo, afirmativo, dizer a verdade, mostrar o que está errado e procurar melhorar as coisas neste país", afirmou o tucano, que atribuiu a derrota de Serra ao "voto do povo".
O candidato a vice na chapa de Serra, deputado federal Indio da Costa (DEM-RJ), afirmou que a presidente eleita será cobrada. "Agora cabe à oposição cobrar dela que faça um bom governo. Vou estar na oposição cobrando", disse.
Cumprimentou Dilma
Com discurso conciliador, o governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), parabenizou Serra, a quem chamou de "guerreiro", mas desejou a Dilma um "bom governo".
"Queria destacar bravamente o papel do Serra, que representou muito bem o nosso partido. Foi um guerreiro, percorreu o país inteiro, fez um trabalho de fôlego. (...) E cumprimentar a presidente Dilma pela sua eleição. Desejar a ela um bom trabalho, um bom governo, e dizer que São Paulo é aliado do Brasil, do desenvolvimento brasileiro."
O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, afirmou também que Dilma terá "grandes desafios". "São grandes os desafios dela. Corrigir as enormes desigualdades desse país que não foram corrigidas nos últimos oito anos", disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário